22/12/2014

O sonho é o mundo da nossa alma

O sonho envolve uma parte nossa inexplicável, o sonho traz e leva um encantamento que nada poderá substituir. As vezes é preciso muita sensibilidade e uma certa dose de desapego para perceber que AQUELA IMENSIDÃO era apenas um sonho, outras horas devemos defender com unhas e dentes até a morte pois dali é que sai o brilho dos nosso olhar, as vezes é preciso enfrentar grandes batalhas, obter com garra vitórias impossíveis para apenas poder defender nosso sonho, que é onde dorme o nosso amor de verdade, o sonho é o mundo da nossa alma.

Raiz da Serra Turismo é um dos meus sonhos sendo realizado, aos poucos, estou criando uma empresa que poderá existir por muitos anos, ajudando a realizar sonhos, sonhos de quem quer conhecer outro lugar, sonhos de cada um!

Raiz da Serra Turismo é uma agência de viagens que criei, trabalho e sonho!


20/12/2014

As vezes...



As vezes TUDO é apenas um abraço, um olhar, uma saudade que morre ou uma saudade que não se mata...

17/12/2014

Brisa de cangote

Flutuar feito os pés do filho
Vir do Mar quando enverga
Não é Banzeiro do Rio
São as ondas da praia
Oceano das marés
Sobe e desce na lua certa


Luz

25/11/2014

Racionais Mc’s lança seu novo CD intitulado “Cores e Valores”

É isso amantes do Rap, após 12 anos do último disco vide “Nada Como um dia Após o Outro dia“, o grupo que ajudou a formar milhares de mentes lançou seu oitavo disco.
Na capa (acima), os quatro pretos mais perigosos do Brasil aparecem vestidos com roupas de gari, com mascaras, metralhadoras e malotes, provavelmente acertando a boa.
O nome do disco é “Cores e Valores”  e contém 15 faixas, chavosas e de revolução como Racionais sempre foi; a música que da nome ao disco já foi cantada em show’s e disponibilizada para audição, mas no disco ela se fragmentou e deu vida a várias faixas com novos versos.
Entre as músicas temos “A Praça“, faixa 10 que fala sobre a treta na Praça da Sé, até a faixa “Eu Te Prometo“, um som que  o Racionais fala de romance, no mais vocês precisam ouvir.
A produção executiva do disco é de DJ Cia, o CD marca 25 anos de carreira do grupo, que começou os corres la por 89; para pesadelo de alguns, o álbum conta com músicas curtas na sua maioria, mas sempre com ideias fortes, afinal estamos falando dos caras que fizeram Nego Drama.
Fonte: Rap Nacional, pra saber mais, comprar ou baixar Clica aqui


SESC Barra Mansa

Espetáculo teatral baseado em depoimentos de mulheres negras e no mito de Iansã, “Sete Ventos” é interpretado por Débora Almeida e faz única apresentação, dia 28/11, às 20h30.

Programação SESC, clica aqui.


24/11/2014

Por de baixo de mim sangra um jardim

Aonde será o horizonte no desejo?
Aquele sem freio,
Fome louca sem receio
Me lambuzar de vontades.

Nessas esperanças remanso
Atordoando calado,
Mantenho forte
Minhas garras largas

... E faço mar
Nos braços de espuma
Cubro tudo que está nu
Sou sal da pele

sou nós

... E desfaço poesias
Da língua trato forte
a linha torpe do gozo
escorre em nanquim
Dizendo na derme
Qual tipo de febre
arde em mim...

Nessas palavras
Se jogam em ondas
Caindo onde será que eu direi que vim

Qual olhar vejo o meu
Perguntas encruzilhadas,
desatino...


Luz

Até no jardiM
uma tragédiA
flores agora mortaS
assombram a luZ
com suas folhas secaS
e a lembranças do orvalhO
E as sombras do passadO
Em ramas de um perfume antigO


22/11/2014

Donana



Com direção do Cacau Amaral, o filme foi lançado em abril no dia da Baixada e agora poderá ser baixado para a maior facilidade de difusão.
Escolhemos o dia 20 de novembro, dia da Consciência Negra como forma de homenagem à força da cultura afro na Baixada – o filme transpira isso em cada frame…
É pra baixar e espalhar! E como diz o mestre Ras Bernardo, o reggae não pára e nem pode parar! :)
Ficha Técnica
Sinopse: A partir da história do Centro Cultural Donana, em Belford Roxo, o filme apresenta um rico painel que envolve música, moda, dança, artes plásticas e muitas histórias emocionantes sobre a Baixada Fluminense no final dos anos 80 e início dos 90. Desse cenário efervescente surgem várias bandas de projeção como Cidade Negra, KMD-5, O Rappa, Cabeça de Nego, Nocaute, entre outras.
Direção, Roteiro e Edição: Cacau Amaral
Produção: André de Oliveira e Fabíola Trinca
Assistente de Direção: Heraldo HB
Fotografia: Bruno Martins, Cavi Borges, Márcio Bertoni, Michel Messer, Rafael Mazza, Thiago Conceição
Som direto: DMC, Flávio Maravilha Arte: Diego Jovanholi
Correção de Cores: Josinaldo Medeiros Mixagem: Ricardo Mansur
2014 – 27min – um filme Mate Com Angu
Fonte: Mate com Angú link http://matecomangu.org/site/?p=1547

Link para assitir o vídeo http://vimeo.com/matecomangu/httpvimeocomdonana



20/11/2014

Eu sei lá, só sei que sei e não sei de mais nada.

Sou um cara que quanto maior ou mais difícil meu objetivo é, mais força me vem nos braços, nas pernas, na pensação e na alma abençoada que eu tenho composta por todos os meus ancestrais, hoje é um grande dia, simplesmente porque estou vivo e estou bem comigo!

Luz com Monalisa

10/11/2014

Aonde foi parar o movimento?








O teto de vidro e suas pedras

Cacos de vidro

De uma janela deslumbrante
Com reflexo dos presentes passados...
Quebra se num espatifar de sensações
 
Algo mói e se desfaz em pó 
Se morre num soprar e puxar de vento
Fazendo a dor da arte sangrar até brilhar...

Vidro tudo que move 
E estraçalho a falsa valsa
A garrafa justa e húmida julga suas quebradas...

Cacos...






01/11/2014

Luz

Minha pensadoria 
vem da brisa
Do flerte no olhar

Feito Ojuobá
Me espalho aos 4 cantos 
do saber sem estar,

Ser
É o que
há!

Luz


30/10/2014

2 dos meus

Dois filhos dos meus
Me remete remoto um blues
Cheio de azuis 
De 31 de todos os outubros

Duas partes de mim e de Deus
Mesmo que a ânsia em ver tudo pronto
Desaba no tempo
Reconstruo toda esperança e me reinvento

...
De que eu a morrer
Tenha sido farto dessas vidas.
que me levam a ser ancestral

André Luz



26/10/2014

Você viu em algum lugar?

Sumiu um monte de palavras
Estavam todas elas aqui
Era tanta coisa dita...

Onde será que está 
O flerte dessa manhã?

Vou pro curar

Andre Luz



23/10/2014

Cama de Amor

Esse travesseiro brega de fronha estampada que ilude minhas coxas todas...
Atrapalha depois que o calor se espalha 
E feito um corte fino me escapa
Descruzo as pernas e empurro a trouxa
Embolando a colcha
Caindo da cama
Que me engana
Sem sono pra me deter...

André Luz

12/10/2014

Dominar a língua

A verdadeira sabedoria !
Meus irmãos, somente poucos de vocês deveriam se tornar mestres na Igreja, pois vocês sabem que nós, os que ensinamos, seremos julgados com mais rigor do que os outros. Todos nós sempre cometemos erros. Quem não comete nenhum erro no que diz é uma pessoa madura, capaz de controlar todo o seu corpo. Até na boca dos cavalos colocamos um freio para que nos obedeçam e assim fazemos com que vão aonde queremos. Pensem no navio: grande como é, empurrado por ventos fortes, ele é guiado por um pequeno leme e vai aonde o piloto quer. É isto o que acontece com a língua: mesmo pequena, ela se gaba de grandes coisas. Vejam como uma grande floresta pode ser incendiada por uma pequena chama! A língua é um fogo. Ela é um mundo de maldade, ocupa o seu lugar no nosso corpo e espalha o mal em todo o nosso ser. Com o fogo que vem do próprio inferno, ela põe toda a nossa vida em chamas. O ser humano é capaz de dominar todas as criaturas e tem dominado os animais selvagens, os pássaros, os animais que se arrastam pelo chão e os peixes. Mas ninguém ainda foi capaz de dominar a língua. Ela é má, cheia de veneno mortal, e ninguém a pode controlar. Usamos a língua tanto para agradecer ao Senhor e Pai como para amaldiçoar as pessoas, que foram criadas parecidas com Deus. Da mesma boca saem palavras tanto de agradecimento como de maldição. Meus irmãos, isso não deve ser assim. Por acaso pode a mesma fonte jorrar água doce e água amarga? Meus irmãos, por acaso pode uma figueira dar azeitonas ou um pé de uva dar figos? Assim, também, uma fonte de água salgada não pode dar água doce. Existe entre vocês alguém que seja sábio e inteligente? Pois então que prove isso pelo seu bom comportamento e pelas suas ações, praticadas com humildade e sabedoria. Mas, se no coração de vocês existe inveja, amargura e egoísmo, então não mintam contra a verdade, gabando-se de serem sábios. Essa espécie de sabedoria não vem do céu; ela é deste mundo, é da nossa natureza humana e é diabólica. Pois, onde há inveja e egoísmo, há também confusão e todo tipo de coisas más. A sabedoria que vem do céu é antes de tudo pura; e é também pacífica, bondosa e amigável. Ela é cheia de misericórdia, produz uma colheita de boas ações, não trata os outros pela sua aparência e é livre de fingimento. Pois a bondade é a colheita produzida pelas sementes que foram plantadas pelos que trabalham em favor da paz. (Tiago 3:1-18 NTLH)


01/10/2014

Tez

Treasures ou Tesouros

Estão escondidos na própria alma
Mas pra encontrar
As vezes é preciso
procurar pelo mundo todo
Ou a vida inteira
Até que a riqueza corra nas veias!

Tão Farto será o fim,
absoluto,
contínuo,
nú.

Tez ouro que brota só há quem não se importa,
aflora.

André Luz Gonçalves


Ó


30/09/2014

... A palavra que eu disse cantada pelo amigo Marcelo Bizar.


...

Rá!
A boca costurada com arame farpado
Me larga essa brisa ou escarro
Então umas duas ou tres palavras bastam
E pensar poesia vira o vício e a semântica do pensamento ou precipício, abrir dos olhos e flertar com os inícios.
O corpo debuta inconsciente e contínuo em cada faze num indo e vindo, balanço de sensações, estáveis e efêmeras, deixando o ritmo nascer
Do coração:
Que se rebate e expulsa o sangue
Me tenta a achar um único furo futuro pra sumir e morrer livre da escravidão de me deixar vivo,
Eu sinto o pulso me dando tempo
De onde sou infinito
Por fim, me faço massagem em você.

André Luz


Pra ouvir de cantar o que escrevi acima, clica aqui!

24/09/2014

Por fim...

A boca costurada com arame farpado
Me larga essa brisa ou escarro
Então umas duas ou tres palavras bastam
E pensar poesia vira o vício e a semântica do pensamento ou precipício, abrir dos olhos e flertar com os inícios.

O corpo debuta inconsiênte e contínuo em cada faze num indo e vindo, balanço de sensações, estáveis e efêmeras, deixando o ritmo nascer
Do coração:
Que se rebate e expulsa o sangue
Me tenta a achar um unico furo futuro pra sumir e morrer livre da escravidão de me deixar vivo,
Eu sinto o pulso me dando tempo
De onde sou infinito

Por fim, me faço massagem em você.

André Luz

16/09/2014

Meu coração de neve
Se põe no amanhecer
De um desejo que me seduza 
lambuze

Mestre das emoções
Deus de fato
Me nine em suas canções
Faça me do seu volume um abraço

André Luz





18/08/2014

Leve

Certeza é viver a navegar
Um amor chamado lar
E a paz é o Rei
Sem pressa é estar, ser
A mente simples fica
Pensando rebulicos alegres
E o corpo mais que merece
O prazer que erdei dos meus ancestrais

André

13/08/2014

Pediu perdão
Dobrou os joelhos
Chorou o fel da fé

Teve medo desmerecedor
Dormiu sem sono
Acordou no chão de estrelas

Mas quando pediu
O divino calou-se
Deixando as respostas cheias de lembranças 

E com a crença 
Acendeu um fino pavio 
Ergueu-se de luz

Agora que perdeu
Torna o futuro um encontro
Tanto faz se é poema ou conto...

Eu daqui acordo a paz 
Solto meus pássaros azuis 
E deito nu de sensações.

André Luz


06/08/2014

O beijo inesquecível 
A invasão mais marcante
No caminho entre suas coxas 
Me revolto num vôo pássaro 
E me aninho no jardim dos seus suspiros 
Enquanto suga meu fogo íntimo
Na falta da poesia escrevo com a língua em seu mamilo
E torno o toque infinito
Nos mais úmidos desejos
E me transbordo em sua tábua de esmeraldas,
Nascendo flor do capim.

André Luz

04/08/2014

Revira a volta das varandas

O vento só pra fortes, 

Aqui quem manda demandas é a raiz da Serra dos Órgãos

Empurrando seu zumbido poderoso e morno, madrugado até o galo cantar a manhã...


Vale de Inhomirim pra desabar na baixada fluminense

Desalgar a maresia  da velha Guanabara, 

as folhas se agarram aos seus galhos até que morram

Sem saber que seu milagre será voltar a ser terra.


Tudo é tempo.


André Luz


01/08/2014

Amanhecimentos

A musica que aquece 
o inverno põe o sol pra dormir 
depois de muitos tons traz amanhecimentos...

A corda lá que vibra e arranja o sol em estribilhos
doou a outra mão ao ritmo
alçando o fim dos silêncios
Shiiiiiii.... p-sil.

André Luz  


09/06/2014

Capim da saudade

Comprei frutas frescas!

Correndo rindo, me levei de criança
E espalhei tudo pelo seu jardim
Penduradas uma a uma em mim

E as suas flores todas que eu vi lá
Abriram se como se eu as deixasse
Num cair de cada pétala, feito plumas  
Roçado fino na solidão de espinhos
Dançando no vento em num “polir” do chão
Feito pensamento que desmancha...

De maços vagos me catapulto em anseios lúdicos
Enrolados como fumo de raízes de amor puro

E aquelas cores todas de seu pomar, e as folhas soltas...
Foi-se no tempo tornando-as ocres, terra nova que pousava

E aquelas frutas-eu que eras pra te aguçar
E morder me suculenta em matar sua fome

E foi-se temporada...

E agora da varanda daqueles seus sorrisos
Alegrava se uma saudade feita de um casal na rede

Dessas paixões de boa tarde
Delicado tempo venta porta de trás

Até me invade porta a frente
Capim de saudades

André Luz




23/05/2014

Dedos soltos

Dedos soltos

imprudentes cachos endoidados
me cegam macios
caindo no tato desse pescoço
onde me caibo

nesse todo louco 
que por fim 
desfaço de mim 
nos seus laços despenteados

André Luz


22/05/2014

Percebi o mundo virado
Pus de ponta os pés
Olhei de lado pra reta
Não tive você

Depois que te perdi
Pareceu lá contigo eu partido
Indo embora sumindo
Como se tu fizesses um rompimento
Parte do meu umbigo

Depois que te perdi
Percebi meus pedaços
Eram bons cacos
Mas não encaixavam
Nem em nó, nem em laço

Depois que te perdi
Continuei vendo a vida lírica
Acalmando as manhãs sofridas
E vendo esperança na alma

Depois que te perdi
Os restos que levou
Me limpou de cismas e rimas
Fui fazer a canção sem refrão

Depois que te perdi
Sorri contundente em mente
Voltei ao estado natural da leve solidão
E pude notar que me perdeu

Não foi a mim que deixou
Foi o monte de nossas coisas
Dessas de amor bobas
Que sua risada solta dava

Hoje ao te ver gargalhar
Versos o meu sorriso discreto
Mostro me que seu mundo
Era apenas o lugar onde eu não presto

E lá onde habita
Ficaram meu restos
Feitos roupas rasgadas
Feito um cheiro de meu vento

Agora é Tempo...

André Luz


14/05/2014

E lá vou


Fim de semana firme no propósito do entretenimento aliado ao laser e assim conquistando energia para mais essa semana comercial, enfim, falarei de meu "weekend" e assim nos deslocamos ao passado, precisamente ao ultimo sábado: Manhã pouco agradável, pois dormi tarde na sexta e 09h00minam eu já estava de pé... Arrumamos todas as malas e bolsas, afinal é uma pra mim, outra pra ela e mais uma pra Maria e muito andamos de carro pelas vias expressas, meu futuro compadre e uma amiga com seu neném sono também pegaram carona pra Lumiar, a função básica de nossa ida era cantar, tocar até as tantas e levantar um dindin pra sair do prejuízo, tudo deu certo, com exceção do domingo matinal, quando acordamos e constatamos que a go-tei-ri-nha na cozinha era o fim da água na casa, lá estávamos nós chegando a essa triste realidade veraneia vendo um banheiro até bonito repleto de detritos impublicáveis e sem água pra limpa-los e pra piorar, mais de oito pessoas acordando e poucos minutos, todas embriagadas ou com ressaca, um casal no canto da sala nu roncava... E assim obviamente saímos da casa as pressas pra voltar pro nosso reino que era mais confortável e tinha água encanada quando a bomba era ligada. Mais de 1.000 léguas de volta pra casa. No final deu tudo certo, minha cadela adorou nossa volta, eufórica pisava em bostas como nas nuvens e meu domingo se desenhava entre fazer um cartaz pro chá de fralda musical de minha filha, um cochilo no crepúsculo e um jantar rápido que preparei e ficou uma delícia. Na sequencia veio a triste notícia que meu Fluminense mais uma vez perdia pra algum outro time do campeonato brasileiro... É tudo tão igual e ao mesmo tempo nada tem haver com nada na sequencia da vida, queria ter estudado filosofia pra entender melhor as coisas do comportamento e claro também deveria estudar mais português pra errar menos meu idioma, mas enquanto essas coisas não acontecem vou vivendo mesmo assim que o jeitinho pras coisas sempre arranjo, nem sempre o melhor modo ou tradução, mas... 

André Luz




13/05/2014

Orus

Te incluo em minhas rezas
Recluso em preces verso
Todo meu tom de quem sou som
Me levo

E agora que não virei Deus
e adoro
contrario de qualquer desejo
Malignoro me

E a cada cerimônia
Que um poema cria
Faço me de um pequena oferenda
Compondo me em liturgias

André

16/04/2014

Tanta Sem
Casa Gente

Casa Tanta
Gente Sem




FAVELA DA TELERJ: DIREITO À PROPRIEDADE OU FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE?
Ou: "CHICO, VÃO INVADIR MINHA CASA??"
_____________________
É muito simples: o direito à propriedade NÃO pode se sobrepor ao preceito constitucional da função social da propriedade (art. 5o). O direito à propriedade não apaga o direito fundamental à moradia (art. 6o), nem apaga o enorme déficit habitacional que temos.
MAS NÃO SE PREOCUPE, nem embarque em discursos incautos: isso não quer dizer que alguém possa se apropriar de tua casa ou dos bens que você suou para conquistar. Claro que não! Não tenha medo nem raiva, não caia na CAMPANHA DE TERROR propagada por alguns grandes interesses econômicos - muitas vezes refletida em grandes veículos de mídia.
O que isso tudo significa é apenas que o Estado deve RESPEITAR A NOSSA CONSTITUIÇÃO e destinar para moradia popular os milhares de prédios, casas e terrenos PÚBLICOS que estão ociosos.
E mais: o Estado tem sim o direito de, seguindo o devido processo legal, DESAPROPRIAR alguns dos milhares imóveis abandonados por empresas e corporações BILIONÁRIAS, que acumulam patrimônio com intenções gananciosas e meramente especulativas.
Dizia Elton Medeiros: "Uns com tanto, outros tantos com algum, mas a maioria sem nenhum."
Você, que tem algum, que trabalha, se esforça e constrói seu patrimônio pensando em sua família, com dedicação e amor... Pra você, o Mandato Chico Alencar lembra: a luta por uma sociedade mais justa é a luta contra o superpoder das grandes fortunas, é a luta para que TOD@S tenhamos dignidade e oportunidades iguais.
ESTA LUTA É SUA TAMBÉM!

12/04/2014

Pra que discutir?

Tem que levar madame no samba

Madame vira a gira

Bebe cerveja

Meche mole a noite inteira...



André Luz






08/04/2014

Amável e louco
Sim, eu sou um pouco...

André Luz

Poema 40

Envelheci um ano esses dias 
lembrei quase tudo 
que foi-se um dia 

Dei trela a memória
Nostalgia banguela
Saí da janela

André Luz

02/04/2014

Daí

Um prato cheio de palavras
como numa colher de sopa
só sopro simples
o relento que não tem nome

Boca de fome
comendo as ideias dos
que tão de barriga cheia
a verdade é uma mentira feia

Deixando calada
a mesa farta sem ceia
abrindo um pouco do pensamento
Em tomar de quem tem

Centelhas...


André Luz Gonçalves

26/03/2014

GENTE DE JORGE - O SHOW



Convite feito, convite aceito!!! 
Será uma grande honra e alegria receber o Poeta Jorge Salomão para fazer parte do show GENTE DE JORGE, interpretando a oração de nosso santo guerreiro SÃO JORGE, do qual também é devoto, unindo-se aos guerreiros de cá... Beto Rocha Marcelo Negrett André Luz Gonçalves Jeff Barata Márcio Paulino!!!
Aguardem... Em abril no Teatro Sylvio Monteiro!!!




25/03/2014

Dá um loudi


Sambalangandã - Fuzuê

Barato e chega em sua casa, vale cada centavo!



27 de março - 19h

Após uma semana de casa lotada com ótimos espetáculos, o Complexo Cultural Nova Iguaçu, terá mais atrações gratuitas para o público. 

Na semana que passou o teatro Sylvio Monteiro lotou, com a exibição do filme 5 x pacificações do Diretor Cacá Diegues, e no final de semana mais uma vez a casa ficou cheia com a comemoração de cinco anos do Laboratório Cultural, que apresentou Na Pancada do Ganzá.
Esta semana a temporada de atrações gratuitas continua com a exibição do documentário histórico de Nova Iguaçu, vale lembrar que o Cine Clube Banga, fará uma temporada de exibições de ótimos filmes no teatro Sylvio Monteiro, sempre abrindo espaços para discussões e reflexões sobre os filmes exibidos.
Então senhores espectadores preparam-se para mais uma semana de ótimas experiências Culturais.



Faço votos

Como disse o bom Moa: Nas próximas eleições vote em quem trabalha por um país melhor!

Eteceteramente falando o Jean Wyllys é a prova de que passa algo que preste no BBB!
Vencemos! Marco Civil aprovado na Câmara (agora a matéria segue pro Senado)!  Teremos uma internet neutra, livre e segura para tod@s; e nossa bancada batalhou bastante para isso! Parabéns à sociedade civil organizada e aos especialistas que contribuíram para a construção desse Marco Civil! Parabéns a Alessandro Molon, relator, que soube conduzir bem o processo (apenas o PPS votou contra! ). Parabéns a tod@s nós!



Ao poeta resta dar abrigo
As almas no relento.


André Luz

Fonte da foto: Revista Bula

Amanhecimento

Amanheci furando as nuvens
Vendo um mundo pequeno
Dentro do gigantismo das coisas
Indo com a força do vento
Através do tempo
Me invento

André Luz



Aonde você vai tem Poesia? Então leve...

Mascate estrada,
céu e água

Com sorte volte
Sem mote caixeiro
Viajante em norte
Sul no tempo

O vento te investe
Meu mundo inteiro

André Luz Gonçalves

21/03/2014

praça

o tempo carrega a gente
feito uma balanço
nessa gangorra de par
o vento vem dançar


Desmaio Publiko
Espasmos múltiplos
e De todo absurdo
versar
A.L.

Estradeiro

Amanhã vejo uma casa
Disseram que é minha, no pé da serra
Lá na raiz do morro, subindo antes do alto
Não tem ninguém lá
Melhor seguir nessa estrada virada
Pois por fim, não há pra onde voltar

20/03/2014

... Noites Traiçoeiras

Mentira miúda

De repente a bateria do celular acabou, aquela conversa boa que eu tinha deu lugar aos pensamentos soltos, comecei a prestar a atenção naquele papo alegre dos que estavam na lanchonete, Djavan começou a cantar que o “amor é como um raio”, e esse desafio e meu pensamento galopa em trote, troto errado, penso que perdi a mão de amar, sofria naquele momento uma dor que incomodava o tempo todo, o de amar a pessoa errada, e sofrer com essa sentimentalidade boba, queria pensar em coisas maiores, questões sociais, culturais, o que me seduzia era o mundo da minha razão, a emoção me expurgava feito um prato sujo que você não sabe quem usou e fica com nojo de reutiliza-lo, estava com nojo de mim, de ver meus 33 anos chegarem sem amor comigo, carência distorcida que eu não permitiria virar meu desejo algo efêmero, quero me tornar a pedra preciosa de alguém, não o cuspe... mas naquele instante alegria era ver os outros sorrindo, me apeguei aquele momento como se fosse meu ultimo, a lanchonete era meu céu, aquele sorriso do atendente era a minha felicidade, as cores fortes da parede representavam meu pulso, meu sangue, meu desejo, o mundo ali ficou pequeno, saí e entrei no primeiro ônibus que me veio à rua, fiz sinal e ele parou.
A motorista, uma senhora forte de poucos amigos, primeiro não quis me dizer o preço da passagem. Como eu entraria no coletivo então? Ela explicou que só se pagava na saída, achei bacana confiar em mim, então eu entrei confiante e essa é uma alegria que tenho pouco na vida...
Sentei me ao lado dela, tinha um banco pequeno, mas justo, no outro extremo da frente do ônibus, a escada de subida era no meio do ônibus, aliás, micro ônibus, cabia 25 pessoas no máximo, ar condicionado mal funcionava, em Manaus nesses dias tem andado abafado demais, um calor de todo lado, mormaço, na época das chuvas fica assim, pior...
O som do ônibus era alto, um chiado de repente deu lugar a Walter Franco cantando que “lá ia uma vela aberta se afastando pelo mar”...
Ali eram todos ameríndios, eu sempre imigrante e estranho, parecendo um estrangeiro onde quer que fosse, queria ter nascido com a cor de minha mãe, seria mais sincero da parte de Deus, mas isso é outro papo... Hoje sou um viajante do acaso dos outros querendo encontrar meu próprio cais...

O apito soou e todos bateram palma, eu que não era bobo bati também, sorria e não sabia o motivo e sorrir assim é muito gostoso, hoje era o melhor que eu poderia ter, me achei com sorte finalmente, os cílios postiços enormes daquela menina índia que me olhava, com suas tranças grossas caídas pelo ombro, num vestido simples estampadinho, linda era simplicidade, tomando seu sorvete à espera de um grande amor, eu não poderia dar nada aquela menina linda, imaginei a índia sem aqueles cílios enormes, deixei a de lado e virei meus pensamentos para meu mundo novamente, tudo estava fixo no embaralhado do meu olhar, eu bestificado por conseguir encantar-me com qualquer coisa, finalmente sorriu minha alma e minhas lagrimas eram doce feito o rio...
A musica acabou depois que saí da lanchonete,  e depois acabou no ônibus, começaram a dar notícias locais, saí do ônibus, na verdade não queria voltar para o hotel de taxi, precisava sentir o cheiro da gente que me encantava, o calor era de Manaus, estava perdido na Amazônia, que sensação gostosa...
Encontrei um homem andando e chorando, um tipo de índio forte, o cara devia ter seus 35 anos, era bonito, mas chorava sofrido, paramos esperando abrir a passagem de pedestre na rua, enquanto aquele semáforo não abria eu não resisti e perguntei se estava bem, se precisava de ajuda, ela parecia que precisava de alguém. O nome dele era Jorge e ele logo foi dizendo que a mulher dele saíra de casa, pra fazer safadeza, já tinham dois dias e não voltava, ela estava com a filha de 1 ano, a filha nem era dele, era de outra relação furtiva da esposa, ele me contou que a mulher liga pras amigas, pra combinar um passeio e quando vê, ela já se foi, ele sofre muito pois gosta muito dela, gosta demais, não consegue imaginar a vida sem aquela mulher, eu perguntei porque ele não saía e ia embora, seguir a vida, ele me falou que era engenheiro, trabalhava na região da Zona Franca, tinha uma carreira sólida, queria ir morar com o primo nos EUA, mas não tinha coragem de abandonar aquela mulher, pois depois ela sempre voltava aos braços dele, com todo carinho e chamego que ele tanto amava, eu disse a ele que era preciso ele se amar também, pois esta situação poderia se tornar perigosa, ele poderia tomar uma atitude violenta e gerar um problema maior, pois ele disse que ela o agredia e ele acabava por se tornar violento também, Jorge depois de 3 cervejas começou a chorar novamente, e saiu do bar do armando andando pela rua do teatro de cabeça baixa, indo pra casa...

Eu me perdi ali, fiquei mais de hora pensando naquele homem que não se ama e ama tanto uma mulher que o deseja vez em quando, lembrei de meu caso de amor, de minha malícia, e de meus desejos frustrados, de tudo que me oprimia, mas eu queria sorrir, e não deixar embargar um soluço de choro em mim, catei meu rumo e fui caminhar pelo mundo, segui em frente, sem norte em comum, apenas meu norte.



18/03/2014

Longe

A Cara da minha estrada
Leva meu nome e jornada
rima do nada

Essas paisagens que viro dentro de mim
Essas janelas trancadas sem fim
Teu ninho minha passarada

Nesses dias de canções e solidão
Eu fico assim 
Mundo imenso que me faz voar sem dá chão

E nas voltas
O que fica não me diz
O que nem me espera, nem me nota...


André Luz