25/01/2013

Há onde?

Ninguém sabe, 


não se viu



anônimo


amor sorriu

 : ) 




Saiu antes que a vergonha acabasse 

pacatá, pacatá

Pacatáá!

E o amor?
e ELE?


?


!!!

Amasse!


24/01/2013

E daí?



É bem verdade que ele sempre foi meio doido, de repente começou a andar, ou melhor, começou a vagar pelas ruas, acordava de manhã, ia a padaria comprar pão e leite, comia uns cinco pães de 50 gramas e sem que ninguém percebesse sumia pelo mundo, Bruno já tinha 17 anos e ainda não havia acordado para o mundo verdadeiro, seu neurologista uma vez disse que seu retardamento era mínimo e que não haveria necessidade de medicação ou cuidados especiais e que certamente na fase adulta sua inteligência ia se sobrepor a sua pouca habilidade social e tudo estaria tranqüilo, certa vez disse a Dona Joli:

- Curto bastante seu filho, pois saiba que a maioria dos meninos nessa idade são malandros demais e Jair é além de muito inteligente um ótimo garoto, saudável, amável e super inteligente nos estudos, todas as suas notas foram sem máximas, não se preocupe!

Um dia a Dona Joli resolver seguir seu filho, ela sabia que ele havia sofrido muito com os coleguinhas da escola sempre o caçoando de apelidos referentes a sua lerdeza, só que o rapaz era muito bonito e sempre foi muito bem visto pelas meninas mais disputadas e menos interesseiras em rapazes tipo badboy, pois sua inocência era tão saborosa que várias delas brincavam com ele dando beijinhos enquanto ela passava, ou simplesmente sussurrando elogios para que ele pudesse ouvir e ficar roxo de tanta vergonha, uma vez uma menina o levou para o banheiro durante o intervalo e sapecou-lhe a mão por entre suas calças, abriu seu zíper e começou a mexer em seu todo seu corpo, ele atordoado e ansioso gozou antes mesmo de haver qualquer tipo de afago sexual, e essa mesma menina divulgava para as outras amigas que espalhavam até para as professoras como avantajado era o órgão sexual do rapaz, seu apelido logo virou picão, o Jair Picão... E assim foi se virando pela vida e pelas meninas o Jair Picão... Mas voltando ao assunto, sua mãe naquela tarde resolveu segui-lo, ele que estava de férias escolares e nada tinha de compromisso, não gostava de computadores, desenhava lindamente, porém se alguém pedisse para ver ele simplesmente pegava desenhos toscos e grosseiros que qualquer um poderia telo feito, pois apesar de sua inocência ele sabia que as pessoas eram bem mais havidas de maldade e sagacidade que ele, e seus desenhos eram para ele seu elo com o mundo e real, suas estórias narravam fatos do cotidiano de pessoas que ele nunca havia ouvido falar, contos de meninos pobres que viviam favelas, se desabrigados de desastres naturais, eram gibis para adulto ler... Sua mãe sempre vasculhava sua arte, mas sempre deixava do exato modo que ele as largou da ultima vez, pois sabia ele não poderia perceber o mexido e simplesmente bloquear-se... Dona Joli andava com muito cuidado para não ser vista, pois ele andava rápido e parecia ter um objetivo ou intenção bem definida, não hesitava em dobrar a esquina, parecia que conhecia bem o trajeto, não olhava para os lados, nem para traz, Dona Joli queria a certa altura ser vista, pois percebeu que não conseguiria acompanhar o rapaz, e logo veio uma ladeira, íngreme e ainda feita de paralelepípedos, sem asfalto, ela apesar de balzaquiana sempre gostou muito de se arrumar, seu filho era bonito graças ao gene da mãe, pois o pai era horrível, usava uma dentadura desde muito novo, pois logo depois que se casou sofreu um acidente quando estava passeando de bugre nas dunas de Cabo Frio, cidade onde sempre viveram e bateu com a mandíbula na barra de segurança quebrando a maioria dos dentes e ainda mudando um pouco sua forma natural de falar, era um bom pai, envergonhado pela faceta que a vida lhe aprontou, e para completar não havia feito seu único filho com saúde plena, apesar de sempre terem tentado ter vários filhos e filhas, era feio e sabia que sua esposa era linda quando nova e até hoje quando saiam ao mercado ou para dar um dos raros passeios as pessoas o olhavam tipo parecendo que pensavam assim; - Filho bonito, mãe bonita, mas esse pai é feito de doer... E assim seu Jailson seguia com sua vergonha e feiúra peculiares...

O menino Jair Picão some no fim da ladeira, Dona Joli enquanto bufava sem fôlego e apoiava o corpo nos braços que por ventura se apoiavam nos joelhos abaixou a cabeça por um estante e quando levantou cadê seu filho? Nada do menino, sua sensação de mãe não era das boas, sabia de toda sua inocência e devia cuidar para que ninguém abusasse de nenhuma forma do rapaz, quando ela se preparava para desabar num choro, de repente passa seu filho num táxi com uma mulher de uns 40 anos a todo vapor...

03/01/2013

Desver

Quando disse que eu só tinha a ela
Disse que ela era como eu
Agora que como álcool evapora
E dor devora

Claro que o amor esvai 
Entre tanto desamor
A violência de perder
Sem saber o que

Bela feito a luz
Rasga a boca o féu 
Vocifera gemidos
Que esqueceu de soar

Mesmo sem clamor
Tento ser um céu
E penso infinto
Só ouço o meu grito




Laço

Doce querer
Manhãs de janeiro
Sem te ver
O ano inteiro

Amargo gosto
Exalou 
Afago torto
Me preparou

Sem demora eu espero
Esmero meu pensamentos
Paz nos meus receios
Querer te querer bem

No meu peito seu rosto
Eu ainda sindo seu gosto
Ardendo, sereno,
Suave veneno.

André Luz

02/01/2013

Nem quero saber, apesar da curiosidade


Eis que vem teu egoísmo

e aliado ao meu
se vinga de nós dois deixando a gente ser feliz
e toda a vida pela frente
será?


Signos

Aries,
Ser do signo dela não é bom, os astros indicam que você deve ter seu próprio signo, que essa astrologia de amar sem os cálculos astrais corretos da ruim. Marte gosta dos anéis de saturno e tem um amor antigo com a Lua em conversão com a Terra.





Saudades de 1964 | Carta Capital

Saudades de 1964 | Carta Capital

Itamar Assumpção canta Paulo Leminski

O Homem com uma Dor é Muito + Elegante...

Aurora Miranda Quindins de yaya

Literatura véi!

Mick Jagger 

O Mestre e Margarida é um dos preferidos do vocalista dos Rolling Stones. 

O romance de Mikhail Bulgakov explora a visita do diabo a cidade ateia de Moscou. O livro foi um presente de Marianne Faithfull, que Mick namorou entre 1966 e 1970, e até serviu de inspiração para a música “Sympathy for the Devil”.


Para bens!

Todas as religiões são a verdade sagrada para quem tem a fé mas não passam de fantasia para os fiéis das outras religiões.

Isaac Asimov - Aniversaria hoje

África

Evento da Igreja Universal em Angola acaba com 16 mortos


Vítimas morreram esmagadas e asfixiadas em portão de vigília evangélica




Ao menos 16 pessoas morreram e 120 ficaram feridas ao tentar entrar em um estádio superlotado de Luanda, capital de Angola, para uma vigília evangélica organizada pela Igreja Universal do Reino de Deus para comemorar a virada do ano. Segundo a agência Angop, um porta-voz do serviço de emergências disse que as vítimas, incluindo quatro crianças, foram esmagadas contra os portões do estádio Cidadela Desportiva.

Ferner Batalha, bispo-adjunto da Universal em Angola, reconheceu que a vigília estava superlotada. "Nossa expectativa era de 70.000 pessoas, mas o número foi muito maior", disse ele, segundo a Angop. Batalha disse que a Igreja Universal havia alertado as autoridades e pedido a colaboração da Cruz Vermelha para organizar sua vigília.

Segundo o porta-voz da Defesa Civil, Faustino Sebastião, citado pela Angop, as vítimas morreram pisoteadas e asfixiadas pela multidão na entrada do estádio Cidadela Desportiva, que teve apenas dois de seus quatro portões abertos.

A tragédia é a segunda de qual se tem notícia no ano novo, já que outro tumulto deixou pelo menos 60 mortos e mais de 200 feridos ao fim de um espetáculo de pirotecnia na capital econômica da Costa do Marfim. 

(Com agências Veja, France-Presse e Reuters)

Fogo de artifício

Quando eu acordei naquela praia, ainda podia se ouvir o eco dos fogos de artifícios.

Um polícial gentilmente me cutucou com sua botina, me ordenando circular, BÓRA VAGABUNDO. Quando ele notou algumas marcas no meu rosto, perguntou se me meti em briga ou coisa assim, disse que havia apanhando de 2012, mas 2013 seria carinhoso comigo, que não se preocupasse pois mal só faço a mim mesmo. Ele perguntou se eu tinha drogas, eu disse que não, ele deve ter acreditado.

O sol ardia, minha pele queimada ardia, as porradas ardiam, minha assadura ardia, eu resolvi dar um sorriso ardido.

Ao sorrir notei que estava com minha sacola amarela de roupas revirada, faltavam algumas coisas, roupas, estava descalço, levaram meu dinheiro, levaram meu sorriso.

A Ilha Grande ficou do tamanho de um caroço de feijão, e eu precisava escapar daquela antiga prisão, por quase um segundo eu fiquei sem saber o que fazer, pensei que um café poderia me ajudar.

Na padaria pedi a moça um dedo de café, disse que havia sido assaltado e só queria um dedo de café pra arrumar um barco pra ir embora. Ganhei pão com manteiga, café e uma garrafa d´água não mineral gelada.

Fui ao barqueiro, expliquei o inexplicável e não consegui embarcar. Fui a delegacia e o policial que me acordou e serviu o dejejum dos meus pensamentos me levou ao barco chamado Futuro e me mandou ir embora da ilha, e que fosse vadiar em outro lugar.

Saí da ilha sem olhar pra trás, sem paisagem, sem céu azul, sem o tradicional tchau pra baía de abraão, com um desejo ruim entre o gosto do café e a completa sensação de abandono.



.



01/01/2013

Bença!

Três, quatro ou cinco, sei lá. Abro os olhos como num susto, turvo vejo a parede branca e clara do meu quarto, o cobertor ta pendurado na janela para bloquear o excesso, to com fome, vou ao banheiro fazer xixi e nossa, a primeira boa sensação do dia, vou direto ao chuveiro, abro receoso, porém determinado, a água não esquenta nunca, mandei pra regulagem quente e entrei, minha tatuagem recente dói na água quente, ta incomodando, estico o braço e vou à escova de dente, banho sem escovar os dentes é meio banho, mas acabou pasta, porra! Não escovo de raiva e me penalizando, faço um gargarejo no enxaguante pra aliviar, e vou a varanda conhecer o dia, lindo dia cinza, chuvisca, as crianças brincam correndo pra todo lado, o carro passa com seu dominical som potente, o barulho me atordoa, me sinto fraco, penso, uma coca-cola vai me salvar, mas Caralho a coca é zero, se a coca não tem açúcar ela não pode me salvar, percebi que não faz sentido tomar coca sem açúcar, é o açúcar que é o segredo da coca, isso me deixou triste, queria comer um lanche bem gostoso, mas estava em frangalhos, levantei, andei até o treilher de mamãe, comprei um churrasco que na verdade acabou sendo um frango que ainda não estava bem cozido, e voltei como um rato pra casa, mas minha mamãezinha não tardou a me gritar, pedindo que servisse almoço aos meus avós, Dona Izaura minha avó de 89 anos, sorria pra TV, meu avó roncava deliciosamente na cama e minha irmã, vagava pelos corredores da casa deles, eu sorri. De repente, cheguei e falei:

 - Bença vó
 - Deus que te abençoe.
 - Vou servir o almoço, vem pra mesa
 - Hein?
 - O almoço?
 - A ta bom, cadê Oswaldo (meu avô)
 - Ta dormindo.
Fui pra cozinha, coloquei os três pratos, o feijão era claro, grosso, parecia uma delicia borbulhando na panela, corri logo a acabar com aquilo pois estava urrando de fome, meu avô não acordava, eu sentia dó de acordá-lo, não se acorda alguém num soninho de domingo, mas minha avó não vê dessa forma e começou a falar alto para acordá-lo, e assim chamei-o, mas ele leve como ele só, já abriu o olho e de forma serena me perguntou:
 - O que foi?
 - Bença vô.
 - Deus te abençoe, cadê Vilma(Minha mamãe)
 - Ta na barraca, ta cheio de gente lá, o almoço ta na mesa.
E assim deixei-os se deliciando na metade do frango enquanto eu corria pra casa a comer…