03/07/2012

O meu domingo ou Sem sentido eu sinto mais.



Três, quatro ou cinco, sei lá. Abro os olhos como num susto, e turvo vejo a parede branca e clara do meu quarto, o cobertor ta pendurado na janela para bloquear o excesso, to com fome, vou ao banheiro fazer xixi e nossa, a primeira boa sensação do dia, vou direto ao chuveiro, abro receoso, porém determinado, a água não esquenta nunca, mandei pra regulagem quente e entrei, minha tatuagem recente dói na água quente, ta incomodando, estico o braço e vou à escova de dente, banho sem escovar os dentes é meio banho, mas acabou a pasta, porra! Não escovo de raiva e me penalizando, faço um gargarejo no enxaguante pra aliviar, e vou a varanda varado conhecer o dia, lindo dia cinza, chuvisca, as crianças brincam correndo pra todo lado, o carro passa com seu dominical som potente, o barulho me atordoa, me sinto fraco, penso, uma coca-cola vai me salvar, mas Caralho a coca é zero, se a coca não tem açúcar ela não pode me salvar, percebi que não faz sentido tomar coca sem açúcar, é o açúcar que é o segredo da coca, isso me deixou triste, queria comer um lanche bem gostoso, mas estava em frangalhos, levantei, andei até o trailer de mamãe, comprei um churrasco que na verdade acabou sendo um frango que ainda não estava bem cozido, e voltei como um rato pra casa, mas minha mamãezinha não tardou a me gritar, pedindo que servisse almoço aos meus avós, Dona Izaura minha avó de 89 anos, sorria pra TV, meu avó roncava deliciosamente na cama e minha irmã, vagava pelos corredores da casa deles, eu sorri. De repente, cheguei e falei:
 - Bença vó
 - Deus que te abençoe.
 - Vou servir o almoço, vem pra mesa
 - Hein?
 - O almoço?
 - A ta bom, cadê Oswaldo (meu avô)
 - Ta dormindo.
Fui pra cozinha, coloquei os três pratos e o feijão era claro, grosso, parecia uma delicia borbulhando na panela, corri logo a acabar com aquilo pois estava urrando de fome, meu avô não acordava, eu sentia dó de acordá-lo, não se acorda alguém num soninho de domingo, mas minha avó não vê dessa forma e começou a falar alto para acordá-lo, e assim chamei-o, mas ele leve como ele só, já abriu o olho e de forma serena me perguntou:
 - O que foi?
 - Bença vô.
 - Deus te abençoe, cadê Vilma(Minha mamãe)
 - Ta na barraca, ta cheio de gente lá, o almoço ta na mesa.
E assim deixei-os se deliciando na metade do frango enquanto eu corria pra casa a comer…


Um filme, falando de Francisco Goya e os tempos da Inquisição, muito show, acabou de acabar. Legal mesmo, recomendo. Mas não sei o nome. Goya é foda


Nenhum comentário:

Postar um comentário